Alagoas

0800 006 3029 De segunda a sexta, das 9h às 18h (exceto feriados).
Ligações gratuitas, inclusive de celulares.

A extração de sal e a mudança de nome

A jazida de sal-gema em Alagoas, que está localizada numa profundidade maior que 850 metros e possui uma reserva total estimada em cerca de 3 bilhões de toneladas, foi descoberta em 1943, durante uma prospecção mineral em busca de petróleo, mas foi só em 1970 que um decreto presidencial liberou o início da extração.

Em 1976, a então empresa Salgema começou a extração para a produção de cloro e soda cáustica na fábrica localizada no Pontal da Barra. Em 1995, muda a administração que rebatizou, em 1996, a petroquímica como Trikem. Em 2002, depois da fusão da Trikem com outras empresas do setor, foi criada a Braskem, que manteve a operação em Alagoas.

Durante as atividades da Salgema e da Braskem em Maceió, foram perfurados 35 poços de sal na região próxima à Lagoa Mundaú, sempre sob supervisão dos órgãos competentes. Anualmente, a Braskem envia à Agência Nacional de Mineração (ANM) um relatório sobre suas atividades, como é previsto por lei, e mantém atualizadas as licenças operacionais dos seus poços, além disso o órgão regulador realiza vistorias periodicamente. Anteriormente à criação da ANM, em 2017, a fiscalização era de responsabilidade do Departamento Nacional de Pesquisa Mineral (DNPM).

Já o licenciamento ambiental para a operação dos poços de sal e do salmouroduto - que leva a matéria-prima até a planta - é concedido pelo Instituto do Meio Ambiente (IMA) do Estado de Alagoas. O IMA fiscaliza o cumprimento de todas as restrições previstas na licença. Além das renovações periódicas da licença ambiental, a Braskem também envia anualmente ao IMA seus relatórios de monitoramento dos poços.

Em 2012, ao completar 10 anos, a Braskem inaugurou no Polo Industrial de Marechal Deodoro, cidade vizinha a Maceió, sua fábrica de PVC, tornando-se a maior produtora desse polímero das Américas. A unidade foi projetada para utilizar como matéria-prima o dicloretano produzido na planta de cloro-soda de Maceió, enviado por tubulação até a nova fábrica. O dicloretano, assim como o cloro e a soda, é produzido a partir do sal.