Alagoas

0800 006 3029 De segunda a sexta, das 9h às 18h (exceto feriados).
Ligações gratuitas, inclusive de celulares.

Estudos de Sonares

Em janeiro de 2019, a Braskem começou uma rodada de estudos de sonares nos seus poços de sal, para avaliar as condições dos 35 poços de sal. Esses estudos foram feitos para monitorar o interior de cada cavidade e identificar alterações ocorridas entre um estudo e outro. Os dados desses estudos foram compartilhados com a agência reguladora ANM e com a CPRM.

Antes mesmo dos fenômenos geológicos acontecerem, o monitoramento por meio de sonares já era feito de tempos em tempos, seguindo a determinação do órgão regulador. Entre 1978 e 2017, foram realizados 125 estudos de sonares nos poços de sal da Braskem em Maceió, segundo informa a ANM.

Estudos Independentes

Em paralelo, a Braskem atendeu a uma sugestão da própria CPRM – que indicava que novos estudos poderiam ser acrescentados a seu relatório para aprofundar a compreensão do fenômeno geológico que aconteceu em Maceió. A empresa buscou especialistas em geologia e sísmica independentes, no Brasil e no exterior.

Pesquisadores ligados à Universidade de São Paulo (USP) e ao Imperial College de Londres (Reino Unido), alertaram que as infiltrações causadas pelos problemas de drenagem e saneamento no solo na região poderiam ter contribuído para o aparecimento das fissuras e rachaduras. Segundo esses estudos, não é possível determinar a razão dos fenômenos geológicos em Maceió, ou se há uma relação entre eles e a exploração de sal. O fenômeno geológico continua sendo estudado, sem uma conclusão sobre suas origens.

A Braskem ampliou também os estudos sobre os seus poços de extração de sal. Contratou o Bureau de Recherches Géologiques et Minières (BRGM), da França, um dos mais importantes órgãos de estudos de mineração da Europa, a Universidade de Houston, nos Estados Unidos, e o Instituto de Geomecânica de Leipzig (IFG), da Alemanha, especializado em poços de sal, para analisarem as condições dos poços existentes em Maceió.

A Braskem mobilizou mais de 400 técnicos e especialistas para analisar a situação, na tentativa de encontrar a solução mais segura para toda a população.